Grupos de pesquisa


Grupo de Pesquisa em Imagem e Sociabilidade (GRIS)

O GRIS foi criado em 1994, com cadastro no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq. A temática central que unifica o grupo é a interrelação entre imagens e sociabilidade na configuração dos processos comunicativos. Os vários projetos desenvolvidos no âmbito do GRIS se caracterizam pelo tratamento analítico de seus respectivos objetos através dos conceitos de interação (interação e comunicação), experiência (experiência estética, experiência e mediação), cotidiano; sujeitos interlocutores, interfaces e dispositivos.

Grupo de Pesquisa em Mídia e Esfera Pública (EME)

O Grupo de Pesquisa em Mídia e Esfera Pública está em funcionamento desde 1998, com cadastro no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq. O grupo tem explorado o papel da mídia na promoção de debates públicos e na pré-estruturação do espaço público brasileiro. Investiga as interfaces que os meios de comunicação estabelecem com a formação da opinião pública, da vontade política e das identidades sociais, tratando particularmente a expressão, a atuação e argumentação pública de movimentos sociais e grupos cívicos. O EME é coordenado pela Profa. Rousiley Celi Moreira Maia.

Grupo de Pesquisa Poéticas da Experiência

Constituído em 2007, o Grupo de Pesquisa Poéticas da Experiência é coordenado pelo Prof. César Geraldo Guimarães, tendo como integrantes os professores André Guimarães Brasil e Cláudia Cardoso Mesquita. O grupo estuda as múltiplas manifestações do audiovisual contemporâneo – nos domínios da fotografia, do cinema e das artes performáticas – levando em conta os processos de criação, a organização dos elementos expressivos e as formas de fruição. As discussões privilegiam os diferentes modos como as imagens figuram, convocam e produzem a experiência dos sujeitos.

Núcleo de Estudos Tramas Comunicacionais: Narrativa e Experiência (Tramas)

O Núcleo de Estudos Tramas Comunicacionais: Narrativa e Experiência organiza-se em torno da investigação acerca dos fenômenos comunicacionais a partir da configuração narrativa dos textos que circulam nos diversos dispositivos sociais e midiáticos. A narrativa, em abordagem pragmática, é vista como constituinte de processos de mediação próprios que articulam dimensões textuais, temporais, estéticas e ideológicas que contribuem para a conformação das experiências dos indivíduos, demandando com isso o desenvolvimento de perspectiva teórico-analítica peculiar. O grupo abre-se ao estudo tanto de tessituras narrativas específicas – e de relações aí presentes – quanto busca contribuir para a compreensão de fenômenos midiáticos peculiares, como o jornalismo e a televisão. O Tramas Comunicacionais é coordenado pelos professores Bruno Souza Leal e Carlos Alberto de Carvalho.

Grupo de Pesquisa Comunicação e Cultura em Televisualidades (COMCULT)

Criado em 2008 no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFMG, sob a coordenação da profa. Simone Maria Rocha, o Grupo de Pesquisa em Comunicação e Cultura em Televisualidades (COMCULT) dedica-se, fundamentalmente, ao estudo das relações entre televisão e cultura contemplando todos os aspectos e dimensões do meio televisivo. Os textos – programas ficcionais, informativos ou de entretenimento – são analisados desde uma perspectiva estética bem como a partir de interrogações histórico-culturais e políticas.

Centro de Convergência em Novas Mídias (CCNM)

O Centro de Convergência em Novas Mídias foi criado em 2005, sob coordenação da profa. Regina Helena Alves Silva. O grupo dedica-se ao estudo das culturas urbanas, das tecnologias digitais de informação e comunicação e sua aplicação em contextos sociais. Diante do avanço das tecnologias digitais de informação e comunicação, o grupo alia a pesquisa de cunho tecnológico com a investigação de caráter social, buscando refletir sobre os processos implicados nessa interação, em especial aqueles de inclusão digital.

Núcleo de Estudos em Estéticas do Performático e Experiência Comunicacional

Criado em 2013, pelo professor Carlos Magno Camargos Mendonça, o Núcleo de Estudos em Estéticas do Performático e Experiência Comunicacional, toma a performance como método de pesquisa, investigando formas de comunicação que privilegiam a articulação entre o corpo, as imagens e as palavras. Este tipo de experiência comunicacional irrompe na relação autopoiética existente entre as estéticas do performático e a vida ordinária. Tais estéticas concebem o corpo como um produtor de afetos, como lugar da intuição sensível, e a performance (em suas dimensões social, artística ou linguística) como arquivo, dispositivo de memória e, simultaneamente, como oportunidade de crítica, de inventividade e de transformação.