histórico

O GRIS foi criado em 1994, por um grupo de professoras e professores do Departamento de Comunicação Social.

Inicialmente, não se constituía propriamente em um “grupo de pesquisa”; surgiu em torno de um projeto integrado de pesquisa, que se desdobrou em outro, foi acolhendo novos/as pesquisadores/as, desenvolvendo e consolidando algumas perspectivas teóricas e metodológicas. Depois de algum tempo, nos demos conta de que algo mais duradouro havia se constituído.

Nesse momento, criamos o nome GRIS, realçando dois eixos que articulavam nossas preocupações – as imagens, tomadas não apenas como imagens visuais, mas como representações, domínio do simbólico, e a sociabilidade, dando ênfase à presença dos sujeitos e a dinâmica dos laços que os constituem como interlocutores. Na verdade, o nome representa a própria concepção relacional da comunicação que nos orienta – a comunicação como processo que se estabelece entre sujeitos articulados pela produção/compartilhamento de uma materialidade discursiva, em uma dinâmica de circularidade.

O grupo se estendeu, organizado inicialmente em torno de projetos integrados, que acolhiam contribuições diferenciadas em torno de objetos de estudos multifacetados. Mais ou menos dez anos após a criação do GRIS, a especialização do olhar dos professores e professoras do grupo levou à conformação de objetos de pesquisa distintos e à criação de subgrupos internos, ainda articulados por uma perspectiva comum.

Os grupos internos cresceram bastante, vários professores e professoras, em momentos diferentes, passaram pelo GRIS, numa dinâmica que, ao longo de alguns anos, se conformava mais como um centro do que como um grupo.

O GRIS completou e ultrapassou a segunda década de existência; a maturidade  do/as pesquisadore/as trouxe autonomia e, sobretudo, a necessidade de criar lugares próprios, novas nomeações.

Com isto vivemos então uma nova fase, em que os grupos internos se recriaram de forma independente. Um deles – o GRISpop – reivindicou a manutenção do nome GRIS, no sentido de resgatar, mais do que a tradição, os legados de uma trajetória de 23 anos de pesquisa. Dois outros grupos permanecem em atividade de forma autônoma: o GRISpub (Publicidade, Mídia e Consumo), coordenado pela profa. Laura Guimarães Corrêa, e o GRISsom (Linguagens Sonoras), coordenado pela profa. Graziela Mello Vianna e pelo prof. Nísio Teixeira.

O GRIS foi coordenado por muitos anos por uma de suas fundadoras, Profa. Vera Veiga França. Sucedeu-a o Prof. Elton Antunes (2014-2015) e a Profa. Graziela Mello Vianna (2016). Atualmente, o grupo é coordenado pela Profa. Paula Guimarães Simões.

estrutura e funcionamento

O GRIS está sediado na FAFICH – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG, e faz parte da estrutura administrativa do Departamento de Comunicação Social desta faculdade. É também ligado ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação – PPGCOM – da UFMG.

É dirigido hoje por duas professoras pesquisadoras, Paula Simões (coordenadora) e Vera França (subcoordenadora). É composto também por seus/suas respectivos/as orientandos/as da graduação e da pós-graduação, bolsistas de iniciação científica e apoio técnico, além de ex-estudantes do PPGCOM e ex-bolsistas do GRIS. As professoras desenvolvem projetos articulados de pesquisa, que são norteadores da pesquisa discente. Conta também com bolsistas de Iniciação Científica e bolsistas de Apoio Técnico. A participação no GRIS se dá através da vinculação aos projetos de pesquisa das professoras.

O GRIS tem uma reunião mensal com todos os participantes, em torno de questões teórico-metodológicas que dizem respeito aos projetos em andamento, e reuniões específicas de acordo com as demais atividades desenvolvidas.

Ao longo dos anos, o grupo organiza eventos, cursos, conta com inúmeras publicações na forma de livros e artigos, além de teses, dissertações e monografias.

Foi criado em 2013 o GRISLAB – Laboratório de Análise de Acontecimentos -, um site de acompanhamento e leitura das principais ocorrências do país e dos discursos e sentidos por elas suscitados. O GRISLAB também promove uma reunião mensal.

Em seus eventos e publicações, o GRIS conta com a parceria de colegas de várias instituições brasileiras e estrangeiras. Manteve um convênio internacional com a École de Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS, França), com a Universidade Lusófona do Porto (Portugal). Atualmente, participa do projeto PIMI (Patrimoine, Images, Media et Identités), num acordo entre instituições brasileiras (UFMG, UFBA, UFRJ e UFSM) e francesas (Université Paris 3, Université de Lyon, Université Grenoble-Alpes, Université Aix-Marseille).

É apoiado em seus projetos com recursos do CNPq, Capes e Fapemig (na forma de bolsas e auxílio à pesquisa).