Novas doutoras ligadas ao Gris

No mês de junho, três pesquisadoras ligadas ao Gris defenderam suas teses: Tamires Coêlho (ao centro da última foto), Suzana Lopes e Fabíola Souza (segunda da esquerda para a direita na primeira foto).

Tamires Ferreira Coêlho, professora da UFMT e membra do GrisLab,  defendeu a tese Sertanejas Coectadas: autonomia e escrita de si de mulheres do Sertão do Piauí no Facebook. Orientada pela professora Angela Marques, Tamires coletou e analisou dados e entrevistas sobre o uso do facebook por mulheres sertanejas do sudoeste do Piauí. A pesquisa buscou entender a chegada de diversos meios de comunicação nesse cenário nordestino e seus impactos na vida dessas mulheres.  A banca, composta inteiramente por mulheres, teve a participação da professora da UFV, Rayza Sarmento, as professoras da UFMG, Laura Guimarães Corrêa e Maria Aparecida Moura, junto com Nicole D’Almeida, de Paris-Sobourne,

No dia 8 de junho, Suzana Cunha Lopes defendeu a tese intitulada Vem ver Belém a festejar: análise de cenas comunicativas do Círio de Nazaré. Na tese, a pesquisadora conta como,

“a partir da orientação pragmatista, no processo de articulação empiria e teoria, construímos o conceito de cenas comunicativas para atuar como operador metodológico da análise de interações comunicativas no contexto micro social de duas famílias, identificadas como os Filhos da Esperança e a Família de Catarina.”

A pesquisa foi orientada pela professora Vera França e a banca contou também com o professor Roberto Vecchi, da Universidade de Bolonha – que participou por videoconferência – e com as presenças da professora Maria Ataide Malcher, da Universidade Federal do Pará, o professor José Luiz Braga, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, e a professora Luciana de Oliveira, da UFMG.

Por fim, em 19 de junho, Fabíola Carolina de Souza defendeu a tese Marcelo Rezende, um apresentador performático: do telejornalismo policial à celebrização. Também orientada pela professora Vera França, a defesa teve participação do professor João Batista de Macedo Freire Filho (UFRJ), a professora Lígia Campos de Cerqueira Lana (PUC-RJ), a professora Simone Maria Rocha (UFMG) e a professora e coordenadora do Gris, Paula Guimarães Simões (UFMG). Em anos anteriores, Fabíola desenvolveu seu TCC e sua dissertação no âmbito do Gris.

Em julho, Lívia Barroso defende sua tese Vivendo em Pau d’Arco-PI: Interações e transformações midiáticas. A defesa acontece às 9:30hs, na sala 3100 da Fafich, sexta-feira, dia 20.

Projeto do Gris seleciona bolsista de Iniciação Científica

Está aberto o processo seletivo para bolsista de Iniciação Científica (IC) do Gris, pelo projeto “Observatório de celebridades: emergência, ação e permanência dos/as famosos/as no contexto brasileiro“. São elegíveis alunos e alunas de graduação em Comunicação Social, que estejam, pelo menos, no terceiro período do curso (a partir de agosto de 2018).

O projeto

O objetivo desta pesquisa é construir um panorama de celebridades que povoam a cena pública brasileira, bem como compreender a inserção social e histórica de tais figuras nesse contexto. A pesquisa busca, assim, constituir um observatório de celebridades, identificando seus modos de emergência (por sua inserção em um acontecimento ou por um desempenho louvável em determinada atividade, por exemplo) e evidenciando a diversidade de campos em que elas se situam. Com isso, procura-se apreender a diversidade de tipos construídos nos processos de celebrização – suas semelhanças e distinções –, assim como discutir os valores que tais figuras encarnam e que as projetam no cenário de visibilidade. Nesse sentido, a pesquisa se agrega a outros esforços na tentativa de aprofundar a compreensão acerca da relação entre a cultura das celebridades e o universo de valores da sociedade brasileira contemporânea.

Processo Seletivo

Vagas: 1 (uma)

Agência de Fomento: CNPq

Carga Horária: 20 horas semanais

Valor: R$ 400,00 (bolsa não acumulável)

Orientadora: Paula Guimarães Simões

Vigência: Agosto de 2018 – Julho de 2019

Inscrição: Carta de Intenções com justificativa do interesse pelo projeto e Histórico Acadêmico devem ser enviados para paulaguimaraessimoes@yahoo.com.br até as 18 hs do dia 10 de julho de 2018 (terça-feira).

Entrevistas: Realizadas no dia 11 de julho de 2018 (quarta-feira), a partir das 10hs, na sala do GRIS (3047 da FAFICH/UFMG). O horário de cada entrevista será divulgado por email no dia 10 de julho de 2018, após as 18hs.

Pré-requisitos: Cursando pelo menos o terceiro período do curso (a partir de agosto de 2018) de graduação em Comunicação Social.

Em caso de dúvidas, favor contatar: paulaguimaraessimoes@yahoo.com.br.

Gris lança livros sobre a Copa de 2014 e Modelo Praxiológico da Comunicação

O Gris lança amanhã, quinta-feira, os livros “Quem se lembra da Copa de 2014? Marcas e Repercussões do acontecimento” e “O Modelo Praxiológico e os Desafios da Pesquisa em Comunicação”. Os lançamentos acontecem na Santa Pizza BH, no bairro Santa Tereza, a partir das 19hs. A entrada é franca.

Quem se lembra da Copa de 2014” é uma publicação pelo Selo PGGCOM-UFMG e organizado pela professora titular do departamento de Comunicação Social da UFMG e subcoordenadora do Gris, Vera França, e pelo professor do Instituto Federal de Goiás, Renné França. O livro, disponível em uma versão e-book, é uma coletânea de análises sobre acontecimentos relativos à Copa do Mundo de Futebol de 2014. Os textos reunidos foram feitos ao longo daquele ano, refletindo em diferentes momentos as repercussões da edição anterior do megaevento da FIFA, realizada no Brasil.

O Modelo Praxiológico e os Desafios da Pesquisa em Comunicação”, publicado pela Editora Sulina, é organizado pelas professoras Vera França e Paula Guimarães Simões, professora de Comunicação Social pela UFMG e coordenadora do Gris. Com o modelo praxiológico, entende-se a comunicação não como simples troca de informações, mas como uma ação conjugada entre sujeitos realizada por meio da linguagem, como um processo de produção e troca de sentidos por interlocutores nas redes de relações que se estabelecem em diferentes contextos sociais.

Serviço

Lançamento dos livros “Quem se lembra da Copa de 2014” e “O Modelo Praxiológico e os Desafios da Pesquisa em Comunicação”

Data: 21 de junho (quinta-feira)

Local: Santa Pizza BH – Rua Silvianópolis, 452, Santa Tereza, Belo Horizonte

Entrada Franca

Quem se lembra da Copa de 2014?

“Quem se lembra da Copa de 2014? Marcas e repercussões do acontecimento”  é um lançamento pelo selo PPGCOM da UFMG. Resultado do trabalho coletivo das pesquisadoras e dos pesquisadores do GrisLab, o livro é um compilado de análises de acontecimentos durante o megaevento realizado no Brasil há quatro anos, escritas antes de várias reviravoltas tanto no universo do futebol quanto no país que sediou a Copa. Nas palavras da introdução do livro, ele é “um mergulho em notícias, valores e sentimentos de um momento marcante da história recente do país”.

Organizado pela professora titular de Comunicação Social da UFMG e coordenadora do GrisLab, Vera França , e pelo professor do Instituto Federal de Goiás, Renné Oliveira França, a publicação também conta com capítulos de Leandro Augusto Borges Lima, Eliziane Lara, Maíra Lobato, André Melo Mendes, Raquel Dornelas, Gáudio Bassoli, Rodrigo Portari, Rodrigo Franco, Juliana Ferreira, Eduarda Rodrigues, Frederico de Mello Brandão Tavares e Carol Delmazo. O projeto gráfico é de Bruno Menezes Guimarães e do professor Bruno Guimarães Martins.

O trabalho foi possível graças ao apoio da Universidade Federal de Minas Gerais e das agências de financiamento e estímulo à pesquisa – CNPq e FAPEMIG.

A edição limitada do livro pode ser comprada na sede do Gris por R$30,00 e também está disponível no formato e-book pelo site do PPGCOM.

Confira a lista completa de publicações do grupo.

Livro organizado por coordenadoras do Gris discute comunicação e desafios da pesquisa

O livro “O Modelo Praxiológico e os Desafios da Pesquisa em Comunicação”, publicado pela Editora  Sulina, reúne textos apresentados para celebrar os 20 anos do Gris: a proposta do evento, realizado em outubro de 2014, foi discutir questões e desafios que se colocam nas pesquisas da comunicação – apontando para contribuições que o próprio grupo e seus interlocutores podem trazer para o campo.

O clássico texto que abre o livro – “De um modelo epistemológico da comunicação a um modelo praxiológico”, de Louis Quéré – constitui uma referência central para a concepção interacional de comunicação assumida pelo Gris. A comunicação é entendida como uma ação conjugada entre sujeitos realizada por meio da linguagem, como um processo de produção e troca de sentidos instaurados pelos interlocutores nas redes de relações que se estabelecem em diferentes contextos sociais.

Organizado pelas professoras Vera França e Paula Simões, o livro também conta com textos das organizadoras e de José Luiz Braga, Márcio Simeone Henriques, Bruno Guimarães Martins, Nísio Teixeira, Laura Guimarães Corrêa, Luciana de Oliveira, João Pissarra Esteves, Ivone de Lourdes Oliveira, Larissa Jóia, Marcio Serelle, Renné Oliveira França e Márcio Souza Gonçalves.

O livro pode ser comprado por R$49,90 (+ frete) no site da Editora Sulina.

Confira mais publicações do grupo em nosso site.

Pesquisadoras do GRIS apresentam estudos na Compós 2018.

O 27º Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação acontece do dia 5 ao dia 8 de Julho na PUC Minas.

Três pesquisadores do Gris tiveram artigos aprovados para o 27º Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação, a Compós, um dos eventos de pesquisa em comunicação mais importantes do país. Este ano, o encontro acontecerá em Belo Horizonte, no Campus Praça da Liberdade da PUC Minas, do dia 05 de Junho, terça-feira, até 08 de Junho, sexta-feira. As coordenadoras do Gris Paula Guimarães e Vera França apresentarão na quinta-feira de manhã, enquanto a doutoranda do PPGCOM e pesquisadora do Gris Tamires Côelho apresentará na manhã de quarta.

Em “Celebridades, acontecimentos e valores na sociedade contemporânea”, Paula Guimarães e Vera França discorrem sobre a presença das celebridades no cenário contemporâneo, tendo em vista as ações realizadas em acontecimentos que as projetam na cena pública. A partir de uma análise de 18 ocorrências diferentes, as professoras propõem revelar “alguns dos valores-princípio que sustentam as ações das celebridades, assim como disputas e tensões que se processam em torno dos afetos presentes na celebrização dos famosos”. A apresentação está programada para as 9hs do dia 07 de Junho, no Grupo de Trabalho Comunicação e Sociabilidade, sala 801 do Edifício PIC.

Já no dia anterior, 06 de Junho, a professora da UFMT e doutoranda da UFMG em Comunicação, Tamires Ferreira Coêlho, apresenta“A potência metodológica dos afetos na pesquisa em Comunicação e a Experiência das Sertanejas no Facebook”. O trabalho foca-se nos processos metodológicos desenvolvidos no decorrer de uma pesquisa de doutorado sobre o uso do Facebook por mulheres sertanejas piauienses. Para a pesquisadora, as afetações expressas nos relatos, nos compartilhamentos, nas fotos e nas interações digitais dessas mulheres ajudam a entender seus processos de subjetivação política. A apresentação está prevista para as 9hs no Grupo de Trabalho Recepção: Processos de interpretação, uso e consumo midiáticos, no Edifício PIC, sala 1201.

A programação completa da Compós está disponível no link.

GRIS LANÇA “RADAR DE CELEBRIDADES”

Projeto almeja desenhar quadro de valores que rege a sociedade a partir da análise e observação de figuras públicas brasileiras.

O Gris lança amanhã, 24 de Maio, seu novo projeto: o Radar de Celebridades, um panorama de indivíduos que ganharam destaque na cena pública brasileira. Os pesquisadores vão publicar perfis com acontecimentos biográficos, assim como onde essas personalidades são acessadas, especialmente nas redes sociais. O objetivo é identificar o que torna alguém digno de atenção popular e como esse alguém influencia diferentes públicos. As seis primeiras personalidades perfiladas são a cantora Anitta, a apresentadora Fátima Bernardes, a influenciadora digital Kéfera, o político Lula, o jogador de futebol Neymar e o padre Fábio de Melo.

O Radar de Celebridades faz parte do projeto de GrisLab, que acompanha e produz análises sobre acontecimentos desde 2013. Qualquer um poderá acessar o Radar e fazer sugestões pelo site do GrisLab.

A cada dez dias, o grupo vai publicar um novo perfil, que será atualizado continuamente. O projeto vai analisar artistas de televisão ou cinema, esportistas, líderes religiosos, personalidades do meio político, figuras das redes sociais, modelos ou quaisquer outros tipos de celebridade. O Radar busca entender quais emoções e impressões são suscitadas por essas personalidades: qualquer indivíduo conhecido e reconhecido socialmente pode ser estudado, independentemente de ser objeto de admiração ou repulsa.

“Nós não temos interesse nas celebridades em si. O nosso interesse é o interesse da sociedade nas celebridades” comenta Vera França, subcoordenadora do Gris e professora titular do Programa de Pós-graduação em Comunicação Social da UFMG (PPGCOM). A professora do PPGCOM e coordenadora do Gris, Paula Guimarães, acrescenta: “Entendemos que as celebridades, devido à presença e à força que apresentam em nossa sociedade, podem nos ajudar a compreender a sociedade em que vivemos e o quadro de valores que orienta as ações de seus membros.”

GrisLab participa de Seminário de Crítica de Mídia

A coordenadora do GrisLab e professora de Comunicação na UFMG, Paula Guimarães Simões, participou como conferencista no Seminário de Crítica da Mídia, aberto ontem, 24 de Abril. Ela, junto com o prof. Ercio Sena, do  Centro de Crítica de Mídia (CCM), a profa. Daniella Lopes e a doutoranda Eliara Ferreira, do Grupo de estudos em Mídia e Discurso (MID), debateram “Observatórios e Grupos de Pesquisa: Experiência de Crítica Midiática”.

Paula Simões apresentou a metodologia e dinâmica do “Laboratório de Análises de Acontecimentos do Gris” (GrisLab). A professora falou brevemente sobre a matriz teórica, o formato e a periodicidade das análises do laboratório. Paula também destacou como o projeto se consolidou desde a inauguração, em 2013, sendo um braço de pesquisa e extensão do grupo, bem como a fase de balanço das atividades em que se encontra.

O Seminário de Crítica de Mídia é realizado pelo CCM e conta com a participação de pesquisadores de comunicação e profissionais que atuam de modo autorreflexivo no jornalismo, na publicidade e no cinema. O evento busca refletir sobre as relações complexas tecidas, diariamente, entre a mídia e o restante da sociedade.

O Seminário vai até amanhã, 26 de Abril, no Campus Coração Eucarístico da PUC Minas. Veja a programação de hoje e amanhã:

Dia 25 de abril:

15h20: Conferência 7 – Reflexividade no Cinema, com Alice Riff

17h10: Conferência 8 – Música e Memória: Construções Biográficas no Cinema e na Mídia, com Bruna Santos, Graziela Cruz e Mozahir Salomão Bruck

Dia 26 de abril:

8h50: Conferência 9 – Memória, consumo e práticas lúdicas: Cosplay, Medievalismo e Steampunk, com Mônica Ferrari

10h40: Conferência 10 – Semiótica Aplicada à Publicidade, com Clotilde Perez

15h20: Conferência 11 – Dinâmicas Identitárias nas Redes Sociais, com Beatriz Polivanov

17h10: Conferência 12 – Políticas do Streaming: Algoritmos e Curadoria Musical, com Rodrigo Fonseca

Mais informações clique aqui.

Gris participa de Seminário sobre midiatização em Porto Alegre

Dois pesquisadores do Gris participaram da segunda edição do Seminário Internacional de Pesquisas em Midiatização e Processos Sociais. O evento aconteceu entre os dias 9 e 12 de Abril, na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), no Rio Grande do Sul. A subcoordenadora do Gris, professora titular Vera Regina Veiga França, foi uma das palestrantes na conferência de abertura:  “Epistemologias da Comunicação”. Ela, com os professores Goran Bolin da Suécia e Pe. Pedro Gomes da Unisinos, debateram os vários conceitos de midiatização e seus adjacentes.

Já na quarta-feira, 11 de Abril, o bolsista de apoio técnico do GrisLab e mestrando em Comunicação pela PUC-Minas, Paulo Basílio, fez uma apresentação no Grupo de Trabalho “ Midiatização da Política: Processos e Casos A”. Em seu artigo intitulado “Midiatização da política em tempos de redes sociais digitais: A suposta campanha precoce de Jair Bolsonaro”, Paulo defende que a midiatização altera a temporalidade das disputas por cargos públicos e analisa algumas das postagens nas redes sociais do deputado federal e pré-candidato à presidência da república, Jair Bolsonaro, conhecido pelo seu discurso violento e preconceituoso. Segundo ele, a suposta campanha antecipada de Bolsonaro, denunciada pelo Ministério Público Eleitoral e absolvida pelo Tribunal Superior Eleitoral, exemplifica efeitos da atual midiatização na política brasileira.

Sobre Midiatização

O conceito de midiatização hoje é utilizado para descrever as mudanças da sociedade e dos meios de comunicação na contemporaneidade. Segundo autores como Fausto Neto e José Luiz Braga, a mídia deixaria de exercer um papel auxiliar na sociedade e passaria a dar o tom às relações. Desta forma, o processo de midiatização pode ser entendido como uma dinâmica em curso na qual os processos midiáticos se tornam referências para as interações sociais.

Para saber mais:

BRAGA, José Luiz. Mediatização como processo interacional de referência. In: MÉDOLA, Ana Silvia L. D.; ARAUJO, Denise C.; BRUNO, Fernanda (Org.). Imagem, visibilidade e cultura midiática. Porto Alegre: Sulina, 2007. p. 141-167.

FAUSTO NETO, Antônio. Midiatização, prática social-prática de sentido. 5º Encontro Anual da COMPÓS – Associação Nacional dos Programas de  Pós-Graduação em Comunicação. UNESP-Bauru, 6 a 9 de junho de 2006.

FRANÇA, V. R. V.; SIMÕES, P. G. – Celebridades como ponto de ancoragem na sociedade midiatizada. Revista FAMECOS, Porto Alegre, v. 21, n. 3, p. 1062-1081, set.-dez. 2014

Primeira banca do Gris em 2018 discute imagem pública de Dilma e Temer

No dia 9 de Março, a mestranda do Programa Pós-Graduação em Comunicação Social (PPGCOM) da UFMG, Laura Ântonio Lima defendeu sua dissertação de mestrado intitulada: A construção das imagens públicas de Dilma Rousseff e Michel Temer durante o impeachment de 2016. A pesquisa foi orientada pela professora e coordenadora do Gris, Paula Guimarães Simões.

O estudo proposto por Laura Lima analisa comparativamente quase 800 unidades das revistas semanais Veja e Carta Capital publicadas no decorrer do processo de Impeachment. Abordando tanto os conceitos de imagem pública quanto de representação, a autora mostra como as imagens dos então presidenta e ex-presidente se transformaram com o passar do tempo. Em sua conclusão, ela destaca como os valores tanto do patriarcado quanto da economia influenciaram na representação dos dois políticos.

A banca examinadora contou com a professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV),  Rayza Sarmento de Sousa, e com a subcordenadora do Gris e professora titular do PPGCOM, Vera Regina Veiga França. O trabalho foi aprovado pela banca, concedendo o título de Mestra em Comunicação Social para a mestranda.